sábado, 30 de julho de 2011

O que é uma rota de fuga?



É um mapa que representa, através de símbolos apropriados, o trajeto a ser seguido pelo indivíduo no caso de necessidade urgente de evacuação do local, em função de incêndio, desabamentos ou outros casos fortuitos.

A falta de indicadores de rotas de evacuação poderá ocasionar situações de pânico em emergências, onde o fator tranqüilidade é preponderante para a prevenção de acidentes graves.

O planejamento das Rotas de Fuga deverá ser bem elaborado, levando-se em consideração as diretrizes da NR-23 do MTb e outras que venham a facilitar a saída dos indivíduos dos locais atingidos.

Fonte: http://www.gerhardt-consultores.com.br/seguranca_trabalho/rotas_fuga.htm

Parte de prédio em construção desaba em Belo Horizonte.

Belo Horizonte/MG - No início da manhã de 28 de julho, um prédio em construção na rua Geraldo Lúcio Vasconcelos, quase esquina da avenida Mário Werneck, no Bairro Buritis, na região oeste de Belo Horizonte (MG), desabou deixando vários operários feridos. O desabamento ocorreu por volta de 8h, quando trabalhavam no local 11 operários.

Segundo o Corpo de Bombeiros, não há feridos graves. Os trabalhadores foram atendidos no local.

O prédio estava sendo construído num terreno íngreme. Cães farejadores dos bombeiros estão sendo usados para verificar se não há vítimas sob os escombros. Segundo o tenente Cordeiro, os operários conseguiram sair antes de serem atingidos.

Data: 28/07/2011 / Fonte: R7

Mecânico morre em acidente de trabalho em SE.

Aracajú/SE - O mecânico Júlio César dos Santos, 52, morreu no final da tarde de 27 de julho, vítima de acidente de trabalho em Aracajú (SE). De acordo com informações da própria empresa para a qual trabalhava, ele fazia manutenção em uma empilhadeira no momento em que foi atingido por um contrapeso da própria máquina. "Toda empilhadeira tem um contrapeso, que precisa ser removido no momento de se fazer a manutenção do motor. Ele removeu o contrapeso, o escorou com um cepo e voltou para trabalhar, não sabemos o que aconteceu e o contrapeso se desprendeu e caiu sobre a perna dele", conta o técnica de segurança da empresa, Wesllei Silva Santos.

Com o impacto, o mecânico sofreu fratura externa na perna direita nas proximidades do joelho e faleceu momentos depois, apesar de ter ficado consciente durante o período em que recebeu assistência do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Júlio César era mecânico da empresa MWG Indústria, Comércio e Prestação Ltda, que opera na área de estrutura metálica, indústria metalúrgica, metálica e siderurgia.

De acordo com informações do técnico de segurança da empresa, a equipe do Samu que prestou atendimento à vítima no local do acidente teria informado que o contrapeso que despencou e atingiu a perna do mecânico afetou a veia aorta, a maior e mais importante do sistema circulatório do corpo humano. "Ele perdeu muito sangue e ficou fraco, mas ele saiu daqui consciente, conversando com os médicos do Samu", revelou o técnico ao Portal Infonet. Júlio César faleceu a caminho da unidade de saúde Nestor Piva, na Zona Norte de Aracaju.

Na empresa, os funcionários ficaram consternados. "Lamentamos, foi um acidente de trabalho e a empresa está prestando toda a assistência necessária aos familiares", disse o técnico de segurança, que falou com a reportagem do Portal Infonet representando a empresa. Os funcionários, que preferem o anonimato, reclamaram pela falta de oportunidade de acompanhar o velório. As atividades na empresa funcionam regularmente no dia 28.

Data: 28/07/2011 / Fonte: Infonet

Cocaína





A Erythroxylon coca é uma planta encontrada na América Central e América do Sul. Essas folhas são utilizadas, pelo povo andino, para mascar ou como componente de chás, com a função de aliviar os sintomas decorrentes das grandes altitudes. Entretanto, uma substância alcaloide que constitui cerca de 10% desta parte da planta, chamada benzoilmetilecgonina, é capaz de provocar sérios problemas de saúde e também sociais.

Na primeira fase da extração do alcaloide, as folhas são prensadas em ácido sulfúrico, querosene ou gasolina, resultando em uma pasta denominada sulfato de cocaína. Na segunda e última, utiliza-se ácido clorídrico, formando um pó branco. Assim, neste segundo caso, ela pode ser aspirada, ou dissolvida em água e depois injetada. Já a pasta é fumada em cachimbos, sendo chamada, neste caso, de crack. Há também a merla, que é a cocaína em forma de base, cujos usuários fumam-na pura ou juntamente com maconha.

Atuando no Sistema Nervoso Central, a cocaína provoca euforia, bem estar, sociabilidade. Pelo fato de que nem sempre as pessoas conseguem ter tais sensações naturalmente, e de forma intensa, uma pessoa que se permite utilizar esta substância tende a querer usar novamente, e mais uma vez, e assim sucessivamente.

O coração tende a acelerar, a pressão aumenta e a pupila se dilata. O consumo de oxigênio aumenta, mas a capacidade de captá-lo, diminui. Este fator, juntamente as com arritmias que a substância provoca, deixa o usuário pré-disposto a infartos. O uso frequente também provoca dores musculares, náuseas, calafrios e perda de apetite.

Como a cocaína tende a perder sua eficácia ao longo do tempo de uso, fato este denominado tolerância à droga, o usuário tende a utilizar progressivamente doses mais altas buscando obter, de forma incessante e cada vez mais inconsequente, os mesmos efeitos agradáveis que conseguia no início de seu uso. Dosagens muito frequentes e excessivas provocam alucinações táteis, visuais e auditivas; ansiedade, delírios, agressividade, paranoia.

Este ciclo torna-o também cada vez mais dependente, fazendo de tudo para conseguir a droga, resultando em problemas sérios não só no que tange à sua saúde, mas também em suas relações interpessoais. Afastamento da família e amigos, e até mesmo comportamentos condenáveis, como participação de furtos ou assaltos para obter a droga são comuns.

Além de provocar, em longo prazo, comprometimento dos músculos esqueléticos, existem ainda os agravantes recorrentes da forma de uso. Cocaína injetável, por exemplo, pode provocar a contaminação por doenças infecciosas, como hepatite e AIDS, e infecções locais. No caso daqueles que inalam, comprometimento do olfato, rompimento do septo nasal e complicações respiratórias, estas últimas também típicas dos fumantes, incluindo aí bronquite, tosse persistente e disfunções severas. Gestantes podem ter bebês natimortos, com malformações, ou comprometimento neurológico.

Romper com a droga é difícil, já que o indivíduo tende a se sentir deprimido, irritadiço, e com insônia. Assim, quando um usuário opta por deixá-la, deve receber bastante amparo e ser incentivado neste sentido. É necessária ajuda médica, tanto no processo de desintoxicação quanto tempos depois desta etapa.

Por Mariana Araguaia
Graduada em Biologia
Equipe Brasil Escola

Videos relacionados a segurança do trabalho.

Loading...